Adicionar alimentos saudáveis à sua rotina diária é melhor do que deixar de comer.

Ultimamente tenho estudado muito sobre dietas e alimentação saudável, e foi muito simples concluir que fazer dieta não fará você emagrecer definitivamente. Mas parece que as pessoas ainda não acreditaram nisso, e continuam procurando a dieta da moda, a pílula mágica que será a solução de todos os problemas, ou seguem aquela revista com a atriz da novela de biquíni na capa que diz “emagreça 15 kg em uma semana”.

Incluir algo em nossa rotina alimentar é muito mais fácil que excluir! E é exatamente por isso que toda dieta restritiva nasce fadada ao fracasso. Se, para emagrecer, você precisa abrir mão de praticamente tudo que gosta de comer, trocando por alface com chá mágico, é provável que sempre encare a dieta como um sofrimento, como um obstáculo até alcançar a saúde e o corpo que deseja, não como um caminho.

É uma questão psicológica, muitas pessoas não conseguem seguir dietas porque comem por emoção e não por fome. A maioria das pessoas tem algum envolvimento emocional com a comida, ou seja, o ato de comer está ligado a emoções sentidas. A pessoa está tensa e desconta na comida. Você recebe uma notícia ruim e vai comer um chocolate para se sentir melhor. Desde pequenos somos condicionados a sentir conforto e bem-estar ao comer, e acabamos usando a comida para proporcionar essas sensações. E mais importante: Comer, definitivamente não resolve o problema. É uma fuga apenas.

Quando você inclui alimentos saudáveis na sua rotina, a qualidade destes alimentos é capaz de nutrir o seu corpo, ao invés de só matar a sua fome. Aos poucos, o seu paladar vai mudando, a vontade de comer doces diminui, e a compulsão alimentar não existirá mais. O resultado disso? Perda de peso e uma melhor qualidade de vida!

As dietas restritivas até fazem você perder peso, mas a pergunta é até quando? E depois que você atingir seu objetivo como fará para manter? Fazer uma dieta, por definição, é um plano alimentar temporário, na grande maioria das vezes não irá funcionar a longo prazo. Além disso, as privações de dietas restritivas podem levar a pessoa a comer demais ou a ciclos de compulsão alimentar. A dieta pode funcionar (para perder os primeiros quilos) quando seguida de forma absoluta e sem erros ou transgressões, porém não causa uma mudança permanente. Você até pode perder peso, mas pesquisas mostram que cerca de 95% das pessoas que perdem peso com dieta irão recuperá-lo entre 1-5 anos. Ainda mais quando hábitos e questões emocionais não são abordados, o que vai levar ao retorno aos hábitos anteriores, e ao peso inicial, ou até mais. Aí aparece o famoso efeito sanfona!

A questão na grande maioria das vezes não tem a ver com aquilo que se come, ou com o tipo de dieta que se faz. Tudo não passa de uma questão comportamental e emocional, que faz com que a pessoa não consiga criar um conjunto de hábitos que lhe permita perder peso de uma forma equilibrada, prolongada no tempo e com implementação de rotinas e comportamentos assertivos ao seu objetivo: perder peso.

Um artigo publicado no Journal of The Academy of Nutrition and Dietetics valida a abordagem da “não dieta”. O estudo discute que os programas tradicionais de dieta – que incentivam as pessoas a conscientemente restringir sua ingestão alimentar – além de não serem eficazes para perda de peso, são contraproducentes, pois promovem instabilidade emocional e práticas alimentares não saudáveis. Abordagens fundamentadas na “não dieta” evitam o foco no peso como resultado de sucesso, e valorizam o foco no bem-estar emocional e melhora da saúde – independente do peso.

Os participantes desta pesquisa também tiveram melhora da saúde emocional com diminuição dos níveis de depressão, ansiedade, insatisfação corporal e aumento da autoestima e da qualidade de vida. Após dois anos de follow up muitas das conquistas se mantiveram como o aumento da autoestima e diminuição da insatisfação corporal.
Outro ponto importante é que fazer uma dieta juntamente com o uso frequente e compulsivo de pesagem, pode levar a distúrbios alimentares. Principalmente se a pessoa se preocupa em demasia com a sua imagem. Pesquisas mostram que as pessoas que fazem dieta e que controlam o seu peso diariamente através de pesagem, aumentam oito vezes mais a probabilidade de sofrer de um transtorno alimentar do que as pessoas que não fazem.

A minha sugestão saudável para perder peso

Se você deseja perder peso de forma saudável, duradoura e que diminua ao máximo a probabilidade de uma recaída, deverá primeiro estudar os benefícios (e malefícios) que cada alimento que você consome hoje traz para a sua saúde. Com isso você poderá implementar uma rotina de alimentação saudável para que possa viver de forma saudável e equilibrada, desfrutando destes benefícios.

A melhor solução, mais assertiva, mais eficaz, mais barata e menos prejudicial é implementar um programa ao longo da vida que inclua uma alimentação saudável e prazerosa associada a exercícios físicos regulares, que irá promover a sua saúde e capacidade física. Para perder peso, coma menos e faça mais exercício. Coma você o que comer, se quer emagrecer a quantidade de calorias gastas tem de ser superior à quantidade de calorias ingeridas. Trata-se de uma questão matemática! Portanto, se você ingerir menos e gastar mais, os resultados irão manifestar-se na sua redução de peso. Se é isso que pretende, não espere mais, reduza a quantidade de comida que coloca no seu prato, saia para a rua e exercite-se. Se hoje você quis comer um pouco mais, compense no dia seguinte com alimentos saudáveis e exercícios.

E uma última sugestão, que considero uma das mais importantes, aprenda tudo sobre alimentos alcalinos e desintoxicação através da alimentação, pois estudos mostram que para se ter um corpo saudável e longevidade, apenas 15% do resultado vem de exercícios, 35% de uma alimentação balanceada e os outros 50% de desintoxicação!

Consulte sempre sua nutricionista e desembale menos e descasque mais!

[ ]’s, h.